Abradee: País registra 773 acidentes em redes elétricas em 2016
Em relação a 2015, houve estabilidade na quantidade de acidentes (780) e uma queda de 9% no número de mortes (263)
POR Lucas Araújo
ATUALIZADA ÀS 23:01 DE 25/07/2017
Abradee: País registra 773 acidentes em redes elétricas em 2016

Ascom/CCEDAL, com agências

Brasília – O país registrou 773 acidentes na rede elétrica no ano passado, que resultaram na morte de 240 pessoas.
Os números foram divulgados nesta segunda-feira, 24, pela Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee).

Em relação a 2015, houve estabilidade na quantidade de acidentes (780) e uma queda de 9% no número de mortes (263).

Do total de mortes registradas, as distribuidoras informaram que 126 delas ocorreram em cinco situações específicas: construção e manutenção predial, com 80 mortes; ligações elétricas clandestinas (20); podas de árvore (13); instalação de antenas de TV (8); e brincadeiras de empinar pipa (8).

Em relação a 2015, o número de mortes nessas cinco situações foi o mesmo, de 126, mas, neste ano, houve crescimento nas mortes envolvendo construção e manutenção predial, de 75 em 2015 para 80 em 2016, e podas de árvores, de 9 para 13.

O presidente da Abradee, Nelson Leite, disse que uma das principais preocupações das empresas é justamente a construção civil informal.

“Com o aumento do número de desempregados, temos um aumento na construção civil informal. As pessoas fazem puxadinhos e aí temos acidentes”, afirmou Leite.

Esse será um dos focos da campanha 11ª semana nacional de segurança e campanha de uso consciente de energia elétrica.

Outra preocupação, disse o executivo, é com a troca de antenas, devido à necessidade de adaptação do sinal analógico para a TV digital.

Segundo Leite, as empresas já têm verificado aumento no número de acidentes envolvendo instalação de antenas.

Desde 2008, foram registradas 1.244 mortes nas redes elétricas de todo o país nessas cinco situações mapeadas pelas empresas.

A maioria ocorreu na construção civil, com 669 mortes; 271 estavam relacionadas a ligações clandestinas; 134 a instalação de antenas; 113 a podas de árvore; e 57 a pipas.

Em relação a 2001, ano em que a Abradee começou a fazer a campanha, houve queda de 26% no número de acidentes e de 37% no número de mortes.

Nesse período, de acordo com a associação, 15 milhões de pessoas passaram a ter acesso ao serviço de energia elétrica e a extensão das redes elétricas no País dobrou, de 2 milhões de quilômetros em 2001 para 4 milhões de quilômetros em 2016.